Carta aberta ao senhor Júlio Severo sobre a incongruência da militância protestante contra o aborto e o homossexualismo.

Há tempos tento mandar uma mensagem diretamente ao Sr. Júlio Severo, todavia não consigo achar o seu e-mail ou outro canal de contato no seu blog. Mas, a publicação do artigo “Esquerda evangélica quer unificação de evangélicos do Brasil” de sua autoria no jornal eletrônico Mídia Sem Máscara foi pertinente para escrever a público aquilo escreveria em particular ao senhor Severo.

Descobri, há pouco tempo, em seu blog, sua atividade denunciatória da promoção da decadência moral imposta ao Brasil por uma classe política ignóbil, ao passo de que professa o protestantismo e, por esses dois motivos, resolvi escrever-lhe sobre isso.

Em primeiro lugar, toda essa crise moral porque passa este século XX e XXI tem raízes profundas não só na sociedade, mas no tempo. Essa crise é oriunda do livre exame protestante, da doutrina  luterana de que basta a fé sem a prática das boas obras, bem como da explosão de filosofias antropocêntricas e humanistas, que substituiu Deus pelo homem como medida de todas as coisas.

Iniciada com a decadência da sociedade medieval e agravada no século XVI com a subversão Protestante e com as citadas filosofias que retiraram Deus de seu devido lugar, representa a grande revolução da humanidade: a ruptura da ordem natural e legítima onde a humanidade se subordina a seu Criador para dar lugar à desordem na qual toda referência de verdade, valores e fins é transplantada de Deus para o próprio homem (eis o humanismo subjetivista).

Ora, como não deduzir esta revolução como o antecedente mais lógico do presente relativismo? Como não concluí-la como causa do pensamento moderno, segundo o qual, o homem só vive de opiniões subjetivas e convencionadas como referência de verdade, ainda que persistam opiniões mutuamente exclusivas?

Podemos ver ainda na modernidade, a legitimação de todos os atos atentatórios à moral cristã, os mesmos denunciados pelo Sr. Júlio Severo, por este mesmo relativismo que apregoa a liberdade individual ilimitada das opiniões (não por acaso, o capitalismo se consolidou juntamente com o liberalismo na Revolução Francesa).

Saliente-se, que sendo o homem dotado de elementos espirituais, além de carnais; e sendo o primeiro condicionante do segundo (o corpo sem a alma é morto), a crise a que assistimos não poderia ter início senão pela revolução da alma e do pensamento, logo, da filosofia e da religião.

Por conseguinte, os vetores desta revolução encontram como grande alicerce para a destruição da autêntica ordem cristã, o relativismo. Era preciso introduzir o relativismo nos campos filosófico e religioso, para que, num efeito dominó, fossem contaminados os demais campos do conhecimento, como a Política, o Direito, as Artes, a Ética, além da própria moral, como reflexo da conduta do ser humano na sociedade.

Não irei discorrer sobre os efeitos deste relativismo nas escolas filosóficas, mas, se aprofundar-se no tema, ficará claro que essas “verdades” relativizadas foram responsáveis pelos grandes genocídios cometidos contra a humanidade a exemplo dos ocorridos na Alemanha nazista e nos países que padeceram (e os que ainda padecem) do flagelo do socialismo.

Atenhamo-nos, assim, para as particularidades da revolução protestante ocorrida no século XVI. Ora como não inserir o protestantismo nesta explosão de relativismo religioso, quando os revolucionários protestantes doutrinam a interpretação pluralista e subjetiva da Bíblia por parte do fiel ao mesmo tempo em que resistem à autoridade unitária e objetiva da Igreja Católica Apostólica Romana? Igreja esta, que bem sabemos ser a Igreja fundada por Cristo, indiscutível e comprovadamente, conforme as Sagradas Escrituras, os testemunhos dos Padres da Igreja e inúmeros documentos históricos apontam.

Como não reconhecer o predomínio do relativismo, quando se desloca a autoridade de magistério da Igreja para o próprio fiel?

Ora, Cristo fundou a instituição eclesiástica com o múnus de ensinar toda a humanidade, portanto, o Magistério desta instituição é o autêntico em matéria de Fé, Moral e Costumes cristãos.

Ao desqualificar o Magistério Eclesiástico, a revolução protestante não quebrou somente a unidade sociológica do Cristianismo, mas algo muito mais grave: o protestantismo destruiu (na verdade, apenas tenta destruir) a unidade da referência doutrinária e magisterial com a qual os fiéis se deparavam. Lamentavelmente, não posso alcunhar essa situação senão de extrema confusão.

Também não é concebível a proposição protestante de que o Espírito Santo inspira todos a interpretar a Bíblia (já que a doutrina protestante só admite como régua de Fé as Sagradas Escrituras, a Sola Scriptura). Ora como podemos admitir essa inspiração com tamanha divergência no seio da comunidade protestante? (se é que podemos dizer que existe algo em comum).

Dirão os protestantes: “As diferenças são em pequenos costumes das denominações que não afetam a Fé”. Ora, bem sabemos que as diferenças são gritantes, chegam a divergir até mesmo sobre a natureza divina de Cristo, alguns a negando e outros a afirmando, passando por questões como a guarda do sábado ou do domingo.

Não se pode dizer, que as diferenças protestantes são equivalentes às que existem entre as Igrejas Orientais, em comunhão com a Santa Sé, porque estas residem em ritos litúrgicos que não exprimem doutrinas discrepantes ao Sagrado Magistério, e mesmo que assim o fosse, o Magistério da Igreja repeliriam os erros e/ou retirariam tais Igrejas da comunhão apostólica; tal não acontece no Protestantismo, cuja autoridade encontra-se pulverizada nos fiéis.

Ademais, em nenhum contexto histórico anterior ao século XVI, mesmo nas Sagradas Escrituras, pode se falar em livre interpretação dos textos Sagrados pelos fiéis, sejam Cristãos ou mesmo os Judeus; a figura dos sacerdotes e pontífices legitimamente instituídos por Deus sempre existiu tanto no Velho como no Novo Testamento. São eles que fornecem o verdadeiro Magistério; e as heresias (do grego, escolher) são justamente as doutrinas contrárias ao estabelecido pelo magistério oficial hierarquizado, quer o judaico no Velho Testamento, quer o da Igreja dos Apóstolos e, obviamente, seus sucessores na Igreja Católica.

Não raro, vejo alguns amigos protestantes de denominações diferentes discutirem calorosamente suas diferenças doutrinárias a ponto de um pontificar para o outro: “…Mas, isto é uma heresia.” Ora como um protestante pode acusar outro de herege, se todos são livres para interpretar a Bíblia (equivocadamente, se dizem inspirados pelo Espírito Santo) e não existe um Magistério Oficial dentre eles a por a Verdade doutrinária? Como poderia um protestante excomungar outro?

Eis, portanto, o resultado do relativismo religioso hodierno. Agora transplantando para os problemas atuais, vejamos o exemplo da ‘Igreja “evangélica” Bola de Neve’. Ainda que estejam claras para o protestantismo tradicional as condenações do texto sagrado às práticas homossexuais, como posso dizer que a interpretação desta denominação, que admite o homossexualismo, inclusive celebra “casamentos gays”, é herética, se todos podem livremente (repito: equivocadamente, se dizendo inspirados pelo Espírito Santo) definir doutrina religiosa? Do mesmo modo, como posso denunciar a Igreja Luterana da Suécia por celebrar “casamentos gays”, com toda essa libertinagem doutrinária? (procurem esses fatos e denominações no Google)

Ademais, se a interpretação da Bíblia é livre, como taxar de herética a doutrina espírita da reencarnação? Os espíritas afirmam encontrar fundamento bíblico para suas doutrinas, portanto, se não há Magistério Oficial para os textos sagrados, como expurgar essas doutrinas da Verdade Cristã? Quem poderá colocar limites a essa libertinagem doutrinária e imoral, senão o Magistério Oficial instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo que, repito, fundou uma Igreja com pessoas autorizadas a anatematizar doutrinas errôneas?

Portanto, a revolução protestante é a grande responsável, ainda que muito indiretamente pelo atual estado de decadência moral por que passa o mundo, em especial o Ocidente. Se o que se deseja fazer é predominar como fundamento moderno o relativismo que visa à derrubada de qualquer Verdade absoluta, nada mais óbvio do que impô-lo à humanidade a começar do âmago de cada indivíduo, pela sua alma, portanto, grande eficácia ele terá se iniciar-se, como feito, pelo ataque à Igreja de Cristo, que como vimos é a Igreja Católica Apostólica Romana, guia das almas na Verdade Absoluta, Cristo, Nosso Senhor, Deus Encarnado.

Não é possível denunciar a decadência moral hodierna, partindo-se de premissas movediças e sem solidez. A partir do protestantismo não se pode fazer condenações sólidas do homossexualismo ou qualquer outra questão de Fé, Moral e Costumes; a premissa Sola Scriptura (Somente as Escrituras) não é suficiente para fazer as denúncias que vocês desejam fazer. A própria Bíblia dependeu da autoridade do Magistério da Igreja, sem ela não foi possível definir quais eram os livros realmente inspirados e quais os apócrifos.

Em outras palavras, os protestantes repelem a Igreja de Cristo, mas ao mesmo tempo ignoram que ela definiu de forma dogmática quais eram os livros autênticos do cânon bíblico. A lista dos livros autênticos é um Dogma Católico!!!!! E os protestantes admitem um Dogma da Igreja, sem mesmo se darem conta disto.

Vejamos o exemplo da Teologia da Libertação. Na Santa Igreja de Cristo, é possível condená-la como erro, pois, temos um Magistério instituído pelo próprio Cristo, que nos fornece a referência de Verdade. E se fosse no Protestantismo? Que autoridade existe, se todos podem livremente estabelecer definições doutrinárias a partir da Bíblia? Notemos que os mesmos teólogos libertacionistas, Leonardo Boff, Frei Betto, socorrem-se deste mesmo princípio da livre-interpretação para propalar seus erros, mas foram prontamente repelidos pela Santa Sé. Como fazer com os “protestantes comunistas” (termo redundante), se não há autoridade que os repila?

E mesmo nas denominações que admitem o Magistério de algum dirigente protestante, de onde ele retirou autoridade para tal? Além do mais, é muito comum encontrarmos choques doutrinários entre dirigentes de denominações, basta apenas ver, nos sites protestantes, os constantes ataques que eles fazem uns aos outros.

Por fim, dirijo-me respeitosamente, ao senhor Júlio Severo e demais leitores protestantes do MSM, para que reflitam as palavras acima colocadas. Não viso ao menosprezo da pessoa de ninguém, mesmo porque, Cristo, Nosso Senhor, não fez distinção de pessoa, quando fundou a sua Igreja, mas mandou-a ensinar a todos. Aliás, quando no Século II (107 d.C.), Santo Inácio, Bispo de Antioquia, chamou pela primeira vez a Igreja dos Apóstolos de “Igreja Católica”, referiu-se à universalidade (Católica=Universal) da Igreja de Cristo, que englobava a todos os seres humanos.

A militância antimarxista no seio protestante é um anacronismo redundante, o que Lutero e demais revolucionários fizeram no campo religioso, foi o mesmo que Marx fez no filosófico, i.e., cada qual em sua esfera pretendeu negar a autoridade constituída; o primeiro o fez na Igreja, o segundo na sociedade como um todo. Lutero preparou o espírito igualitário, relativista e revolucionário e Marx “matou no peito a bola lançada por Lutero para dar aquele chute de primeira” para além da meta da revolução.

Assim, a verdadeira militância contra a decadência moral a que assistimos só pode ser feita nas hostes da Igreja fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo, a Santa Madre Igreja Católica Apostólica Romana. Ela é a verdadeira guia colocada por Cristo, que deu as Chaves dos Reinos dos Céus ao Apóstolo São Pedro, para ensinar a toda humanidade, conforme as próprias palavras da Verdade Encarnada, Cristo. Ela é o Verdadeiro martelo do relativismo a pontificar uma Verdade Absoluta e Universal, sem a qual ninguém se salva: Nosso Senhor Jesus Cristo, Leão da Tribo de Judá, Cordeiro Manso e Humilde de Coração, Cabeça desta Igreja, fora da qual, portanto, não há Salvação.

Anúncios

31 Respostas to “Carta aberta ao senhor Júlio Severo sobre a incongruência da militância protestante contra o aborto e o homossexualismo.”

  1. Renato Says:

    Perfeito senhor Rogério!

    Eu só acrescentaria ai mais uma coisinha:

    Qual é a diferença dos socialsitas quando dizem tomar propriedades privadas, quando a origem do protestantismo também foi essa?!

    Lutero; Calvino; Henrique VIII e outros tomaram para si vários mosteiros, Igrejas, Conventos que pertenciam a Santa Igreja Católica e na maior cara-de-pau fizeram delas o seus quartéis para dali tramarem cada vez mais seus ataques contra a Santa Igreja!

    A origem do protestantismo é de roubar aquilo que não lhes pertenciam. Qual a diferença dos reformadores para os terroristas do MST?

    • Rogério Amaral Silva Says:

      De fato, Renato, se compararmos os anabatistas, encabeçados por Thomaz Münzer, não havia diferenças entre eles e o MST: viviam uma espécie de comunismo, numa coletividade que pretendia ser igualitária (somente pretendiam, porque nem na Igreja Primitiva isso existiu). A diferença entre a Igreja Primitiva e os revolucionários protestantes (além do próprio MST) é que estes últimos aplicavam os métodos violentos para consecução de seus instintos comuno-revolucionários.

  2. lima Says:

    Rogério, você também foi censurado no MSM?

    Não posso mais colocar os meus comentários lá porque eles me censuraram!

    Se você não foi censurado, por favor: Responda esse imbecil que mandou essa resposta idiota (distorcendo toda a verdade!) nesse endereço:

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/10867-onde-comecou-a-queda.html

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Prezado Lima, Salve Maria. Não compensa perder tempo com o Mídia Sem Máscara. Estes últimos debates acerca de religião foram muito instrutivos para reconhecer que a direita “Ronald Reagan” é tão materialista quanto a esquerda “Gorbachev”. Quando me apresentaram o MSM, imaginei que ali se encontrava um excelente bastião contrarevolucionário e antimarxista. De fato, são antimarxistas, mas não possuem nada de contrarevolucionários; muito pelo contrário: a diferença entre liberalismo e marxismo está apenas na faceta individualista e relativista (portanto, ecumênica) do liberal e a coletivista do marxista. De resto, um pretende ser mais materialista do que o outro, ambos propugnam por soluções políticas para a humanidade e esquecem-se do verdadeiro Redentor: Nosso Senhor Jesus Cristo. Tem a razão o Professor Orlando Fedeli, Presidente da Associação Cultural Montfort (www.montfort.org.br), quando diz que o Olavo de Carvalho (chefe-editor do MSM) combate o comunismo ensinando Gnose. Note que os editores do MSM sempre escrevem distorções históricas sobre o Cristianismo para favorecer o protestantismo. Veja a Graça Salgueiro negando o primado de São Pedro e seus sucessores igualando a Igreja Católica Apostólica Romana às igrejas cismáticas. A negação do primado de Roma foi o pilar da revolução protestante. Claro que a Verdade não pertence a São Pedro e a seus sucessores, estes são canais de que o Paráclito se serve para ensinar a Verdade à humanidade (leia o capítulo 8 do evangelho segundo São João), isso significa que o Papa deve obediência, tanto quanto qualquer outro fiel, a tudo aquilo que foi ensinado nesses 2000 anos de Igreja, mas a Igreja é Monárquica, porque a Verdade é una, não existem duas verdades. O liberalismo é representado pela negação luterana ao Primado de Roma. Lutero abriu as portas para todo o tipo de sistema magisterial, desde as seitas protestantes tradicionais, que possuem seus líderes sem legitimidade alguma para ensinar, até essas novas seitas pentecostais, não somente protestantes (incluindo-se as ditas igrejas em células), mas também a RCC (que de católica não tem nada), que admitem um magistério individualista, no qual cada fiel é pastor de si mesmo dispensando-se a hierarquia eclesiástica. O resultado não poderia ser outro além desta explosão de relativismo, na qual a verdade se encontra pulverizada em cada indivíduo. Note que essa idéia de verdade em cada indivíduo faz eco à Gnose, que prega a obtenção da verdade pelo autoconhecimento; Lutero é um resquício das seitas medievais gnósticas e se aprofundarmos na doutrina de Lutero, encontraremos o ecumenismo que faz convergir o protestantismo até mesmo com o espiritismo e demais falsas religiões. Enfim, Galeno, é preciso combater também essa direita ecumênica e não somente o socialismo petista; sobretudo, não nos esqueçamos que a solução para a decadência da humanidade não está em militâncias políticas como querem não somente os socialistas, mas também os liberais. A solução não é materialista, mas essencialmente metafísica, isto é, sobrenatural. Muito cuidado com o MSM, ele se dá muito bem com o protestantismo, por ser ecumênico. Todavia, não tenha dúvida, se for para atacar a Cristo e a sua Igreja, Olavo e Cia se uniriam até aos piores socialistas, pois a revolução francesa, que foi liberal, abriu as portas para o comunismo. O site direitista Mídia Sem Máscara, assim como o esquerdista Adital, são dois movimentos a serem combatidos.

  3. Lima Says:

    Agora que esse MSM vai escancarar o aeu apoio ao protestantismo gonostico protestante americano. E o pior: Vai fazer os seus leitores pensarem que aquilo que os americanos protestantes fazem é cristianismo!

    Achei um dia que esse Olavo de Carvalho fosse uma pessoa católica e honesta. Mas para uma pessoa que se diz católica, ele se dá muito bem com o protestantismo gnostico americano e o liberarismo cultural desse país esquisito que é os Estados Unidos!

    Aguardemos, pois cada dia que passa esse senhor vai nos supreender com malabarismos de palavras para tentar justificar todas as asneiras dos protestantes dos Estados Unidos.

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Lima, uma última comparação para entender a dialética liberalismo religioso x marxismo religioso. Com a explosão liberal renascentista, uma mentalidade individualista incipiou a corrida capitalista fundada no direito à propriedade privada como direito absoluto do indivíduo, isso com certeza refletiu no protestantismo que fez os grandes “empresários” das seitas do dito protestantismo tradicional; quando digo empresários não digo pelo sentido da exploração lucrativa que fazem os edir macedos, malafaias e rr soares da vida. Assim, cada um dos principais revolucionários protestantes se acharam no direito de se instituírem em magistérios e monopolizarem-nos.
      Os revolucionários marxistas pulverizaram o instituto da propriedade privada capitalista na propriedade coletiva; e, assim como o liberalismo, o marxismo ecoou nas milhares de seitas protestantes, que combatem os protestantes liberais (afinal, os protestantes brigam entre si) para quebrar-lhes o monopólio de magistério eclesiástico nos fiéis e dotar-lhes como absoluta referência de verdade. A revolução protestante não terminou o seu processo anárquico, ele começou com a quebra do monopólio que a Igreja de Cristo (que é a Igreja Católica Apostólica Romana) tem de ensinar, passando pelos poucos hereges protestantes (calvino, lutero, zwiglio, etc…) até chegar na miríade de seitas, onde cada fiel é pastor de si mesmo. Veja que isto já está se refletindo nas famosas seitas protestantes de esquina e nas ditas “igrejas” em células, e também , infelizmente, dentro da Igreja de Cristo com as malditas RCC e também as CEBs (Comunidades Eclesiais de Base criadas pela Teologia da Libertação); o MST também pode ser considerada uma dessas seitas, note que a TL é uma religião materialista (o que não deixa de ser um absurdo), portanto, a militância política da TL é a sua teologia, (um estudo mais aprofundado do tema demonstraria isso).
      Portanto, Lima, o Liberalismo direitista é apenas uma passo para o Marxismo esquerdista. Muitos católicos tradicionais, até mesmo entre os seguidores de Monsenhor Lefebvre na FSSPX (que foi um grande Bispo, ao lado de Dom Mayer), estão iludidos com esse tipo de militância do Midia Sem Máscara, que coloca a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo no mesmo nível que essas seitas, não somente as protestantes, mas também com a Sinagoga de Satanás (os judeus). O deus dessa gente não é o Deus do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas sim o demônio relativista alcunhado “grande arquiteto do universo”.

  4. Gederson Says:

    Caro Rogèrio,
    Viva Cristo Rei! Salve Maria!

    Parabèns pelo blog e pelo corajoso texto. Acrescentaria apenas que o protestantismo reduziu o cristianismo a Biblia e essa por sua vez, a um meio de produçao individual (acionado pelo livre exame de cada um ou quando muito, por uma leitura). Dai nasce a propriedade individual e a propria luta de classes “onde os camponeses sabem o Evangelho melhor do que eu ou Sao Paulo” (Lutero). Nosso Senhor nao disse para nao se dar o que è santo aos caes e a porcos? Lutero foi mais longe, deu tambèm aos lobos e deu para ele o que era mais sagrado que a propria Igreja (a biblia que è produçao da Igreja, se tornou maior que a propria Igreja, um absurdo).

    O argumento final contra a Sola Scriptura, è o de que Cristo escolheu apostolos analfabetos, entao como a Bìblia poe ser a unica regra de fe, se nem mesmo Sao Pedro, sabia ler e escrever?

    Nosso Senhor nos diz que os apostolos seriam suas testemunhas atè o confim da terra, os protestantes acham que è a biblia testemunha o Senhor. Isso sem contar que nao foram todos os apostolos que escreveram livros na Biblia e que para a Sola Scritura fizesse, realmente sentido, atè mesmo Nosso Senhor teria que escrever um Evangelho.

    Interessante è a eclesiologia protestante, ela nao tem nenhuma logica, è incompreensivel, e tem muitos traços de uma sociedade secreta conhecida por todos. Para os protestantes quando Deus disse: “Faça se a luz, nao era uma luz visivel, era uma luz invisivel e sem calor”, assim como eles acreditam em Corpo Invisvel (que deu origem ao Estado Laico). Bem como a dispensa da hierarquia para se chegar a Deus e a “via direta”, lembram tambèm uma sociedade secreta. Todo mundo sabe que a maçonaria existe, mas ela è secreta, nao è visivel, è espiritualmente diabolica.

    Por fim caro amigo, Sao Pio X diz acertadamente que “o protestantismo deu o primeiro passo para o ateismo.” Nenhum pais “reformado” conseguiu manter uma legislaçao crista, pois os protestantes acreditam que a religiao crista nao deve dominar o Estado. Mas o pior de tudo, è que ao rejeitar a Igreja Catolica, o protestantismo rejeitou juntamente a filosofia grega e em seu lugar recolocou o judaismo. Em um primeiro momento: Prova me pelas escrituras, em outro prove me pelas ciencias…

    Fique com Deus.

    Gederson

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Prezado Gederson,
      Salve Maria

      É isso mesmo. E esse protestantismo é o mesmo que converge para o liberalismo do site Midia Sem Máscara (http://www.midiasemmascara.org/), que mascara o ateísmo protestante e ecumênico.
      Tem muito católico acessando esse site e achando que ele empreende uma luta eminentemente cristã, quando na verdade trata-se da direita liberal que abriu a porteira para a manada socialista tomar de conta do terreno civilizado.
      É preciso combater essa direita tão, ou mais, revolucionária quanto a esquerda.
      Logo estarei escrevendo artigos sobre o assunto.

  5. Lima Says:

    Gostaria que vocês lessem esse artigo de um “católico liberal” chamado Leonardo Bruno. Advinha: ele às vezes escreve no Mídia sem Máscara.

    http://cavaleiroconde.blogspot.com/2010/02/catolicos-anticapitalistas-e.html

  6. Conde Loppeux de la Villanueva Says:

    Em primeiro lugar, toda essa crise moral porque passa este século XX e XXI tem raízes profundas não só na sociedade, mas no tempo. Essa crise é oriunda do livre exame protestante, da doutrina luterana de que basta a fé sem a prática das boas obras, bem como da explosão de filosofias antropocêntricas e humanistas, que substituiu Deus pelo homem como medida de todas as coisas.

    Conde-Com o devido acatamento, isso é uma grande besteira. A crise moral foi causada pela própria Igreja, já que seu clero não representava os anseios da Cristandade e permitiu que os nobres oportunistas usurpassem suas funções. A lógica acima parte de vários mitos a saber: a romantização do mundo medieval e da Igreja Católica no passado, sem se ater aos aspectos históricos documentais sobre aquela época. Essa tendência de romantizar o passado para condenar o futuro é uma inversão gnóstica típica dos movimentos revolucionários. Se os socialistas condenam toda a história humana pelo futuro hipotético, os sectários “tradicionalistas” precisam mitificar uma memória passada glamourizada para criticar o presente.

    Iniciada com a decadência da sociedade medieval e agravada no século XVI com a subversão Protestante e com as citadas filosofias que retiraram Deus de seu devido lugar, representa a grande revolução da humanidade: a ruptura da ordem natural e legítima onde a humanidade se subordina a seu Criador para dar lugar à desordem na qual toda referência de verdade, valores e fins é transplantada de Deus para o próprio homem (eis o humanismo subjetivista).

    Conde-Primeiramente, o protestantismo não tira Deus do seu devido lugar. Ele dá apenas outra interpretação da religião cristã.

    Ora, como não deduzir esta revolução como o antecedente mais lógico do presente relativismo? Como não concluí-la como causa do pensamento moderno, segundo o qual, o homem só vive de opiniões subjetivas e convencionadas como referência de verdade, ainda que persistam opiniões mutuamente exclusivas?

    Conde-Primeiramente, se o relativismo moral e ético é um problema da nossa modernidade, por outro lado, o mero posicionamento da autoridade da Igreja nõa é conditio sine qua non para a mera prova da verdade. Aqui há uma confusão entre autoridade e razão. A Igreja, como uma instituição humana, cometeu erros, como defende algo verdadeiro. Querer retroceder à Idade Média, por conta de uma revolta contra o mundo moderno atual é pura estupidez, uma idolatria da cronologia, típica das crenças mais gnósticas.

    Podemos ver ainda na modernidade, a legitimação de todos os atos atentatórios à moral cristã, os mesmos denunciados pelo Sr. Júlio Severo, por este mesmo relativismo que apregoa a liberdade individual ilimitada das opiniões (não por acaso, o capitalismo se consolidou juntamente com o liberalismo na Revolução Francesa).

    Conde-Primeiramente, dentro da filosofia liberal clássica não existe essa história de liberdade “ilimitada”. Existe sim, o respeito claro ao direito de reflexão individual, sem que isso, necessariamente, seja assinar qualquer estupidez que ele diga. Não podemos voltar à época do Index, da inquisição ou de qualquer tipo de forma de controle de pensamento. Isso não é mais cabível.

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Suas contradições e maledicências apenas mostra aquilo que, há pouco, eu estava constatanto: “Liberal hoje, Marxista amanhã”. Em primeiro lugar, quem disse que a Igreja é uma democracia? Desde quando o Clero deve atender aos anseios Cristandade, como se os fiéis mandassem na Igreja? O único anseio legítimo que a Igreja de Cristo deve atender é o desejo dos fiéis de receberem a Sã Doutrina, que só a Igreja de Cristo, i.e., a Igreja Católica Apostólica Romana, pode ensinar.
      Em segundo lugar, em que época após o “renascimento” do século XV, o Clero abdicou de seu múnus de ensinar para “nobres oportunistas”? Só se for na história da sua cabeça-dura.
      Em nenhum momento eu preguei uma volta à Idade Média, você, na sua incompetência de argumentar, que tirou isso do meu texto. A Verdade é imutável, portanto é a mesma independente da época, seja na Idade Média ou na Idade Contemporânea, portanto, não prego a volta para tal o qual era, mas sim a prevalência da Verdade. Se for assim, pela mesma lógica, eu acuso vocês desta direita olaviana de serem gnósticos por quererem voltar ao mundo “cristão-judaico” (como se cristianismo e judaísmo cabalístico pudessem coexistir).
      E a prova de seu relativismo tosco é essa teimosia em defender o protestantismo como uma outra interpretação para a religião Cristã. Meu caro, “Mas, ainda que nós mesmo ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema” (Gal I,8). Cristo fundou uma Igreja, colocou-a sob a autoridade de São Pedro e seus sucessores, no século II d.C., passou a se chamar “Igreja Católica”, o protestantismo só é mais uma heresia a afrontar a Igreja, assim como o arianismo, o maniqueísmo e tantas outras seitas e heresias que relativizaram a verdade. E a maior prova que a decadência moral hodierna tem raízes no relativismo lançado pelo protestantismo, é a existência de seitas protestantes que realizam o famigerado “casamento gay”, aprovam o aborto e tantas outras aberrações.
      Você usa as mesmas falácias marxistas para atacar a Igreja e isso apenas mostra o quão convergem o liberalismo e o marxismo: brigam entre si, mas se unem para atacar a Cristo e à sua Igreja una. Você nunca leu nada sobre a Santa Inquisição e prova disso é a sua maledicência sobre esta instituição que combateu toda a desordem social provocada pelas seitas medievais cujos princípios doutrinários serviram de lavagem para as heresias atuais, não somente o protestantismo, mas a própria teologia da libertação e sua seita político-materialista chamada MST. Só mesmo um liberal para escrever besteiras, onde que a Inquisição controlou o pensamento de alguém? Deixe de ser ridículo, ninguém pode saber o real pensamento de alguém. A Inquisição combatia sim a desordem social provocada pelas heresias medievais e a Igreja combateu sim a libertinagem de impressa. Veja o que essa libertinagem de impressa fez hoje em dia: pornografia, imoralidades e todo o tipo de doutrina anticristã divulgada pelos pa$tore$ das “universais” da vida. Não somente a libertinagem de imprenssa, mas, também essa libertinagem religiosa que faz distorcer o Evangelho de Cristo. Isso sem contar essas seitas, não só africanas e indígenas, que comentem todo atentado à vida humana com sacrifícios de pessoas em rituais de magia negra, mas também as protestantes, sob as quais existem registros até de suicídios coletivos.
      Essa é a consequência desse relativismo tosco, que só permite o errado, mas combate o certo.
      Em suma, fica comprovado, o liberalismo quebrou a unidade da Igreja na tentativa de relativizá-la, o marxismo transplantou esse relativismo para todos os campos da sociedade, diluiu a unidade da Verdade nesse coletivismo grosseiro. De modo que a maior contradição dessas heresias é o fato de permitir tudo, à exceção, do que ensina a Santa Igreja de Cristo.

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Mais uma coisa, se você faz como o tal Olavo de Carvalho que não se interessa pelo estudo da Doutrina Social da Igreja, em especial o Princípio de Subsidiariedade, então reduza-se ao teu silêncio insignificante, que significa mais do que as suas bobagens, e evite fazer críticas daquilo que não sabe.

  7. Lima Says:

    É imprecionante como o liberal não parece falar coisa com coisa!

    Os protestantes também perseguiram e mataram milhares de católicos com seus julgamentos e e porque não dizer seus tribunais. Durante a Reforma Portestante, Calvino e Lutero participaram das mais mostruosas perseguições contra os católicos. Mas no entando os “católicos liberais” só falam do tribunal do Santo Ofício (Inquisição), que ajudou até criar as leis nos tribunais modernos.

    Os protestantes criaram nesse tempo os meios das famosas táticas vitimização (primeiro ataca e depois se faz de vitima) que os comunistas e nazistas utilizam até os dias de hoje!

    No entanto os “católicso liberais” até hoje acham que os reformadores foram herois e libertários.

    Alías, será que o senhor Leonardo Bruno alguma vez no seu site já mencionou sobre as perseguições protestantes contra os católicos em várias paises do mundo (até hoje ele nos perseguem!)?

    O senhor Bruno parece se esquecer que dede que a Igreja Católica foi fundadda por Cristo Jesus, ela foi invadida por seitas e “novas idéias”! Entre as quais:

    No século II a Igreja enfrentou o Montanismo, os seguidores de Montano multiplicaram-se rapidamente e espalharam-se por todo o mundo Cristão.

    No início do Séc III surgiu o Sabelianismo. Os Sabelianistas ensinavam que Jesus Cristo e Deus Pai não eram pessoas distintas, mas simplesmente dois aspectos ou operações de uma única pessoa. Novamente uma legião de pessoas começou a seguir as idéias de Sabélio.

    No Séc IV surgiu o que podemos considerar como uma das maiores heresias que a Igreja enfrentou, chamada: Arianismo.

    O bispo Ário ensinava que Cristo não era Deus e sim uma criatura feita por Deus. Ao disfarçar sua heresia usando uma terminologia ortodoxa ou semi-ortodoxa, ele foi capaz de semear grande confusão na Igreja, conquistando o apoio de muitos Bispos e a rejeição de alguns. Uma grande parte da Igreja desviou-se, Padres, Bispos e fiéis corromperam-se até a condenação no pelo Primeiro Concílio de Constantinopla (381).

    No séc. V veio o Pelagianismo novamente arrastando uma grande parte de Católicos a heresia.

    Ainda no séc. V também surgiu o Nestorianismo desviando muitas almas da fé verdadeira. Em oposição ao Nestorianismo veio o Monofismo arrastando Católicos e mais Católicos contra a fé trinitária.

    Veio então o Catarismo que levou povos inteiros à heresia. Do catarismo vieram as maiores seitas como os Albigenses e Valdenses.

    E por ai vai…

  8. Lima Says:

    Mais parece que para os liberais, essa parte da história PARECE não ter acontecido!

    O próprio Cristo fundou uma unica Igreja. Não faz sentido nenhum uma rebeldia vinda de um padre (Lutero)! Judas também foi sacerdote. Assim como Lutero e ambos claramente criaram os seus “conceitos dogmáticos de fé e de liturgia. ”

    Mas para o liberal, parece que o Judas (com razão) é o errado, Lutero é o héroi.

  9. Lima Says:

    O Concílio Vaticano II senhor Conde, está errado se tentar ensinar alguma coisa contra a a Doutrina bimilenar da Santa Igreja Católica. É por isso que já começou as discusões entre a FSSPX e a Santa Sé.

    De onde o senhor Conde tirou que um “católico tradicional” é á favor de um governo mundial da ONU? Se eu não me engano, a enciclica papal que fala sobre o “governo mundial” é a Caritas in Veritate e não a Encíclica “Spe Salvi”!

    OBS: Rogério, se o Olavinho escreveu alguma coisa criticando a Encíclica “Spe Salvi”, ele já tirou do seu site.

    Muitos paíse de maioria protestante ainda tem como religião do Estado as suas religiões! Por exemplo, na Inglaterra, onde o anglicanismo perseguiu e matou milhares de católicos, é a religião oficial do Estado; na Suécia, se eu não me engano até 2001, tinha como religião oficial do Estado o Luteranismo; asim se dá para os países da Escandinávia, onde as suas religiões são ou tem privilégios no Estado!

    Então se o senhor acah que “associarem à religião cristã como instrumento do Estado, eles acabam sujeitando a fé católica aos fins do Estado, gerando uma nova religião civil. “, muitos países protestantes fazem o mesmo, mais o estranho é que não vejo os liberais criticarem os Estados protestantes sobre isso!

    É o Vaticano II quem chama os protestantes de “irmãos separados”. E como sabemos que durante e depois do Vaticano II todo erro é aceito e até incentivado, isso não me surpreende – um Papa chamar os inimigos de “irmãos separados”.

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Lima, erro meu, de fato, a gambiarra de Olavo foi contra a “Caritas in Veritate” e não na “Spe Salvi”.

  10. Lima Says:

    Rogério, tem que colocar os comentários lá no site do “liberal católico” Leonardo Bruno. Ele não vai querer responder aqui, ele se acha imbatível lá no site dele!

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Prezado Lima, não compensa, suas palavras já nos mostram o quão relativista e liberal ele é, e como liberais e marxistas se unem quando o alvo é Cristo e seu corpo místico, a Igreja.

  11. Lima Says:

    Só dou um alerta Rogério: Um pouco de calma com seus comentários, porque sabe como é, depois do relativismo moderno, esses liberais acham que quando levantamos um pouco a voz (Olavo de Carvalho faz isso o tempo todo!), estamos ofendendo-os.

  12. Lima Says:

    Rogério, acabei de ler no blog “católico liberal” Leonardo Bruno, esse comentário:

    “Senhor Conde, quando veremos artigos de sua autoria condenando as perseguições protestantes contra os católicos nos países protestantes?

    Luteranos, calvinsitas, anglicanos e outros perseguiram e massacraram católicso em vários países de maioria protestantes, no entanto não vi nenhum pedido de perdão deste movimento protestantes em relação a isso!”

    Moreira

    E a resposta do Bruno foi essa:

    “Quem disse que eu defendo? Não estou falando aqui de história, mas de problemas atuais referentes aos católicos do país. Em outras oportunidades, já comentei sobre o protestantismo e suas falhas. Todavia, tampouco vejo no protestantismo atual alguma ameaça ao catolicismo. Pelo contrário, a despeito de uma história de dissidências nem sempre louváveis, o mal é o materialismo, o ateísmo e o comunismo, não o protestantismo. Pelo contrário, sob muitos aspectos, os protestantes podem ser até aliados.

    Vc está coberto de razão. Isso eu falo para meus amigos protestantes. Aliás, acrescentaria: o protestantismo foi o pretexto da usurpação do Estado sobre a Igreja, enfrequecendo-a e, de alguma forma, dando espaço para o laicismo. Se bem que o protestantismo, necessariamente, não é significado de laicismo. As conseqüências de sua ação foram involuntárias.”

    http://cavaleiroconde.blogspot.com/2010/03/uma-aula-de-historia.html

    Dá para acreditar em uma pessoa que diz e depois desdiz aquilo que escreveu?!

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Essa é a maior prova de que esse “conservadorismo” de direita é anticristão e precisa ser desmascarado. Tem muito católico achando que essa direita ecumênica é aliada da Santa Igreja. Só mesmo oração pra esse povo.

  13. olavo Renó Campos Filho Says:

    Prezado Rogério Amaral, parabéns.
    Li com atenção a Carta aberta ao senhor Júlio Severo sobre a incongruência da militância protestante contra o aborto e o homossexualismo. Há algum tempo,descobri o MSN. Posso dizer que mudei muito minha foma de pensar e que realmente a nossa imprenssa mente e é parcial. Fiquei surpreso ao saber que Julio Severo não é Católico A. Romano. Ainda sobre o sr. Olavo de Carvalho, também fiquei a pensar sobre o que falou. Gostaria de contactar contigo. Tenho dúvidas, por favor. Obrigado.
    Um forte abraço.

  14. Da Silva Says:

    Rogério, o pessoal do MSM fechou os comentários?

    Por quê?

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Sim, o MSM fechou os comentários no artigo em questão.
      Há muito tempo deixe de levar a sério o site MSM e explico o porquê.
      Sou de família católica, mas com essa crise pós-Concílio Vaticano II abandonei a Igreja, como a maioria faz hoje no Brasil.
      Meu retorno se deu pela TFP (Tradição, Família e Propriedade), todavia, me afastei porquanto, notei que seus princípios são praticamente os mesmos do trabalho do pessoal do MSM: uma mera militância política anticomunista.
      O MSM tem uma atuação anticomunista, e infelizmente muitos católicos são enganados achando que o MSM é um lugar para a verdadeira Fé: a Católica.
      Você pode argumentar: “Mas o MSM é apenas um jornal eletrônico informativo”. Até aí tudo bem, mas o problema é que toda a realidade deve analisada à luz do Evangelho de Cristo, o qual deu múnus à sua Santa Igreja, que no século II d.C. passou a se chamar “Igreja Católica”, já o MSM é um mero informativo no qual tem lugar todo tipo de heresia, trata-se de uma, de regra, uma iniciativa ecumênica; todo mundo tem lugar em seus comentários, além disso, é muito comum comum encontrarmos em seus textos a expressão “tradição cristã-judaica”. Ora, o judaísmo já passou, estamos na época do Cristianismo, além do mais, Cristianismo e judaísmo moderno não se coadunam, basta você notar a invasão cabalística nos judeus, que já até desprezam a vinda do Messias (que já veio há muito tempo). Misturar o Evangelho de Cristo com judaísmo moderno culminarar em um das duas consequências: ou os judeus se convertem para o Evangelho de Cristo se batizam (vale dizer, na única Igreja que Cristo fundou e não em qualquer seita protestante, boa parte delas malcomunados com esses judeus); ou então, que é o caso do MSM, tem-se um “Cristianismo” desfigurado, ecumênico, relativista e protestantizado, totalmente diferente daquele constante nas Sagradas Escrituras e na Sagrada Tradição da Igreja, conforme estudamos nas obras patrísticas.
      O ecumenismo serve para agradar às várias “opiniões” dos homens, todo o tipo de “segmento” religioso tem lugar, aliás, quase todo o tipo, pois a autêntica Igreja de Cristo não tem lugar, as seitas mais esquerdizadas (a exemplo da teologia da libertação e de seitas protestante que possuem suas facetas esquerdizadas) não tem lugar no ecumenismo do MSM. Direita e Esquerda se degladeiam, mas tenho certeza que se for para combater a Igreja de Cristo eles se uniriam.
      Da Silva, não tenha dúvida: liberal hoje, comunista amanhã. A verdadeira militância anticomunista é também antiliberal e a única instituição que reúne as duas características ao mesmo tempo é a Igreja de Cristo, a Igreja Católica.

  15. Everaldo Costa Says:

    Senhores, também há algum tempo tenho notado a verdadeira face oculta do MSM.
    Quanto a Santa Igreja Católica, sou um católico novo, mas descobri a FSSPX onde a tradição cristã é mantida e exercida.
    Graças a Deus, aqui na minha cidade (Santa Maria-RS) existe uma igreja da Fraternidade S. Pio X, cuja qual comecei a frequentar agora.
    Sugiro-vos considerar essa Fraternidade para a defesa e o exercício da fé.
    Saudações em Cristo!
    Everaldo

  16. Felipe. Says:

    Rogério, salve Maria!
    Tenho 18 anos, tenho lido seus comentários e gostado muito. O senhor tem e-mail pessoal? Poderia me disponibilizar para que possamos conversar melhor?

  17. Silvano Marcos Says:

    Por que vc está criticando o Protestantismo? Você não é católico: você é membro da seita lefebvrista. O lefebvrismo e o protestantismo são irmãos gêmeos. No desejo de serem mais católicos que o Papa. os lefebvristas e o lefebvrismo caiu no subjetivismo e no livre exame protestante tomando para sí tarefas exclusivas do Papa. Quão longe os membros da seita lefebvista estão do verdadeiro catolicismo e da Igreja Católica Apostólica Romana: trocaram a verdadeira Igreja por uma seita chamada FSSPX que tal quais as seitas protestantes não passa de uma Igrejaola de fundo de quintal!

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Então, reiterar a Sagrada Tradição contra o modernismo que corrompe a Fé é subjetivismo? Meu caro, não foi a FSSPX que ensinou a doutrina católica de 2000 anos. Foi a própria Igreja que ensinou e agora vocês modernistas querem rejeitar o ensinamento católica tradicional, fazendo do Concílio Vaticano II um superdogma e o ponto de partida da Igreja (algo que o próprio Papa Bento XVI condenou). Pra vocês, a Igreja começou com o Concílio Vaticano II e todo o passado (2000 mil anos!!!!) devem ser apagados. Foi assim com Lutero, fundou uma nova seita e queria apagar 1500 anos de Igreja.
      Quanto à FSSPX, ela está tão certa, que o próprio clero já começa a questionar o Vaticano II e a Missa Nova (a exceção claro de modernistas como vocês).
      Só não ver, quem não quer, aliás o pior cego é o que não deseja ver.

  18. claudio araujo Says:

    Onde está escrito na Bíblia que a Igreja do Senhor é a Igreja Católica? Isso é fanatismo. A Igreja Católica é apenas um sistema político.

    • Rogério Amaral Silva Says:

      Sr. Cláudio Araújo; duas perguntas objetivas:

      1º Onde está escrito na Bíblia, que só ela contem a revelação e que outras fontes devem ser seguidas? Veja bem, eu perguntei onde está ESCRITO, portanto, não me interessa a sua interpretação sobre esta ou aquela passagem, porque a sua interpretação vale tanto quanto a minha, i.e., absolutamente NADA.

      2º Onde está a Igreja fundada por Cristo, conforme os relatos do Evangelho segundo São Mateus (XVI, 17-19) “…tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja…”? (Repito que não me interesso por interpretações sua, Ok? Elas valem tanto quanto as minhas: NADA)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: